Ração seca ou úmida: qual escolher para o gato?

Diferentes tipos apresentam características distintas quanto à composição.

Entre as preocupações que os donos de gatos têm com a saúde do companheiro, uma das mais comuns é em relação ao tipo de ração a ser servida para ele. Afinal, é mais saudável que a alimentação felina seja à base de uma dieta seca ou úmida?

Não existe uma resposta certa para essa pergunta, uma vez que cada uma das rações apresentarão características únicas. Há, inclusive, veterinários que indicam a mistura dos dois tipos para alimentar o animal, visando uma dieta equilibrada. Entenda melhor os aspectos sobre cada uma dessas rações e como elas impactam a dieta do seu bichinho.

Composição

Em média, as necessidades proteicas do gato são de duas a três vezes maiores que as do cachorro. Uma vez que eles são carnívoros estritos, é necessário pensar em como criar uma dieta que seja balanceada, mas que não provoque aumento do peso do animal.

As rações secas possuem mais proteína vegetal e carboidratos, ingredientes que não fazem parte da dieta dos animais carnívoros. Esse tipo de ração tem em sua composição uma média de 30% a 40% de carboidratos, uma característica que pode predispor o felino a ganhar peso e sofrer com problemas de saúde, tais como obesidade e diabetes.

Por outro lado, as rações úmidas são 80% compostas por água e apresentam uma alta concentração de proteína animal em sua composição. Por isso, elas acabam sendo menos calóricas e mais nutritivas para o animal. O gato fica mais predisposto a comer essa ração por ela ser mais palatável, havendo menos risco de restar comida no comedouro.

Outra característica importante da ração úmida é que ela tem um alto teor de água. Esse componente pode ser muito benéfico para gatos que tenham problemas renais ou doenças do trato urinário, pois mantém o bicho hidratado e ajuda a produzir uma urina mais diluída.

Cuidados dentários

Os dois tipos de ração apresentam impactos diferentes quanto à limpeza dos dentes. Muitos veterinários comentam que as rações secas auxiliam na limpeza deles, impedindo que haja acúmulo de tártaro na boca. Em contrapartida, a ração úmida colabora para que esse acúmulo ocorra. Entretanto, os cuidados dentários são necessários mesmo que a dieta do animal seja baseada em ração seca. 

Outro ponto a ser observado é que as rações secas não são tão indicadas caso você tenha gatos que sejam muito novos ou velhos. Isso porque, em ambos os casos, os animais apresentam dentição alterada, que não está totalmente pronta ou já está envelhecida. Essa característica pode tornar a mastigação mais difícil e incômoda. No caso dos animais mais velhos, a situação é ainda mais delicada pela possibilidade de a digestão da ração seca ser mais difícil para eles.

Validade e armazenamento

Outro aspecto em que os dois tipos de ração apresentam diferenças é quanto à validade e à forma de armazenamento delas. A ração úmida estraga de maneira mais rápida que a seca, após ser servida no pote de comida. Assim, se o seu animal demora para comer ou não consome toda a porção de uma única vez, há o risco de perder a comida.

Isso não é um problema com a ração seca, que pode ficar o dia todo no comedouro sem estragar. Assim, é importante refletir sobre o quanto servir em cada refeição. Pode ser mais interessante colocar uma quantidade menor de comida, para garantir que não haja sobras.

A validade também está ligada ao armazenamento. As rações úmidas precisam de refrigeração para permanecerem preservadas e não vencerem de forma rápida. Esse cuidado a mais não é necessário no caso das rações secas.

Deixe comentário